jogando conversa fora sobre LivrosNerdices

Livro O Clã dos Magos

24 de novembro, 2012

Terminei a leitura desse livro no mês passado e, apesar de ter ficado com o pé atrás a princípio, agora estou muito ansiosa pela continuação da saga. Hoje vou compartilhar minhas impressões sobre o primeiro livro da Trilogia do Mago Negro, escrito pela australiana Trudi Canavan: O Clã dos Magos. Titulo: O Clã dos Magos Titulo Original: The Black Magician’s Guild Autor(es): Trudi Canavan Tradução: Robson Falchetti Peixoto Editora: Novo Conceito Ano: 2012 ISBN: 978-85-8163-000-7 Número de páginas: 446 Sinopse: Todos os anos, os magos de Imardin reúnem-se para purificar as ruas da cidade dos pedintes, criminosos e vagabundos. Mestres das disciplinas de magia, sabem que ninguém pode opor-se a eles. No entanto, seu escudo protetor não é tão impenetrável quanto acreditam. Enquanto a multidão é expurgada da cidade, uma jovem garota de rua, furiosa com o tratamento dispensado pelas autoridades a sua família e amigos, atira uma pedra ao escudo protetor, colocando nisso toda a raiva que sente. Para o espanto de todos que testemunham a ação, a pedra atravessa sem dificuldades a barreira e deixa um dos mágicos inconsciente. Trata-se de um ato inconcebível, e o maior medo da Clã de repente se concretiza: uma maga não treinada está à solta pelas ruas. Ela deve ser encontrada, e rápido, antes que seus poderes fiquem fora de controle e destruam a todos.

Opinião

Primeiro você deve estar se perguntando por qual motivo eu ficaria com o pé atrás em relação a um livro com um título tão atraente, já que sou completamente fanática apaixonada por livros de fantasia. Na verdade, meu medo foi justamente a expectativa frustrada que isso poderia gerar. Mas não demorou muito pra que eu descobrisse que meu medo era completamente infundado. O livro se passa em um universo ficcional de época, arrisco dizer que seria o equivalente a 1800 e alguma coisa. A cidade onde os acontecimentos se passam é Imardin, uma cidade grande que foi murada por conta das guerras de outrora. No tempo presente as famílias ricas vivem no conforto e segurança que o muro lhes proporciona. Mas, para além dos limites dessa divisa se estende uma favela que cerca a cidade por todos os lados. Este lugar tem toda uma cultura, linguagem e costumes próprios, e é daí que vem nossa personagem principal: Sonea, uma moradora das favelas que, por acaso, em um evento que é chamado na história de Purificação, percebe da forma mais inusitada possível que não é só mais um dos milhares de moradores comuns das favelas. Ela possui algo especial. Algo que normalmente, só as castas mais altas deveriam possuir. Obviamente você já deve imaginar do que se trata. Deixo o restante da narração por conta do próprio livro, que faz isso melhor do que eu jamais faria. Como diria Jack, o Estripador, vamos por partes eu tive que falar isso, não resisti. E nada melhor do que usar o velho método da mamãe: primeiro bate depois alisa. Vamos lá, o que não me agradou no livro: Logo de cara me irritou o fato de as personagens não serem apresentadas de forma detalhada. Principalmente os aspectos físicos, o que me deixa completamente confusa na hora de “montar” o quebra cabeça que é a figura da personagem na minha mente. Fico maluca da vida quando imagino que a pessoa tem cabelo comprido, cacheado e castanho e algumas páginas à frente o autor vem me dizer que essa pessoa na verdade tem cabelo curto, preto e liso! O mesmo em relação às expressões faciais, comportamento, gestos, tudo isso na minha opinião de merda precisa ser mostrado pelo autor logo no principio, não só pra facilitar a tua vida, mas pra te deixar mais envolvido na história, pra que você conheça aquele personagem como se fosse parte da sua vida há tempos. Outra coisa que não me agradou muito é quando alguns itens do universo ficcional são inseridos sem nenhuma explicação do que eles são.  Exemplo: Raka e Bol são bebidas específicas desse universo, mas pra descobrir isso você precisa se dirigir ao final do livro, onde tem um glossário com uma lista de todas as palavras referentes ao universo ficcional, divididas em categorias: plantas/comidas, gírias, animais, etc. O que me intriga nessa disposição das informações é o fato de que você precisa interromper a leitura várias vezes pra obter esse conhecimento. Fazendo uma comparação, em Harry Potter a autora explica no próprio texto o que são e pra que servem as plantas, os instrumentos, as ferramentas, de modo que a leitura se torna mais fluida e você memoriza melhor o que é cada coisa. Em O Clã dos Magos eu esquecia o tempo todo o que eram esses elementos, e sinceramente muitas vezes me recusei a consultar o glossário porque estava em algum ponto de clímax do livro que de jeito nenhum eu iria interromper. Mas, se trata de um incomodo pequeno em relação ao conjunto. Não é algo que atrapalha ou diminui a obra como um todo. Por ultimo, as gírias usadas pelos habitantes das favelas, que mostram claramente a origem humilde dessas pessoas, algumas vezes simplesmente desaparecem. Em um momento a personagem principal (que é das favelas) fala algo como: cê tá querendo caguetar o fulano e algumas linhas depois a mesma personagem fala com uma linguagem rebuscada, com verbos bem conjugados e tudo mais como: faça aquilo que for da sua vontade. Foi algo que não ficou claro se trata de algum erro na tradução ou se foi mal encaixado pela própria autora. Mas classifico isso como uma falta de cuidado na construção da narrativa. Mais uma vez comparando, em O Condenado, de Bernard Cornwell há personagens de classes econômicas mais baixas e mais altas e há uma diferenciação muito clara de cada uma exatamente pelo tipo de linguagem que utilizam. Chega de falar dos erros, vamos falar agora sobre os acertos desse livro, que são muito maiores. O universo criado em torno dos personagens ainda não foi completamente apresentado, mas já se nota que é muito extenso e abre espaço para criação de inúmeras possibilidades. A autora gosta de fazer um mistério e te contar aos poucos como funciona esse mundo. Ela tem uma narrativa pouco descritiva em relação aos aspectos físicos das personagens, mas as ações são muito bem descritas, sempre provocando uma enorme euforia nas cenas de ação, de modo a deixar o leitor nervoso, agarrado às páginas do livro, sofrendo junto com as personagens. A mitologia que foi criada em torno do livro é muito bem construída. As hierarquias e castas foram muito bem pensadas, fazendo referencias claras à nossa própria maneira de tratar a sociedade que nos cerca. O que me deixou mais fascinada foi o próprio Clã, seus costumes, vestimentas, hierarquias, tudo extremamente bem elaborado. O funcionamento dessa sociedade é pensada de forma muito racional: nem todos são bons, nem todos são ruins, e há aqueles que não são bons nem ruins, só querem defender seus interesses. O mistério criado em torno do líder do Clã, que vai ser contado ao longo de toda a trilogia, é extremamente intrigante e nada previsível. Como designer, não posso deixar de falar que é um livro extremamente bem diagramado e tem um projeto gráfico muito bem estruturado, deixa a leitura muito mais fácil, a não ser por um pequeno detalhe que me incomodou um pouco: o fato de não haver um símbolo gráfico para a separação das narrativas de cada personagem. Você está lendo o livro pela ótica de Sonea ( personagem principal) e no parágrafo seguinte já é passado para a ótica de um outro personagem  sem nenhum “aviso”. Normalmente é utilizado algum sinal gráfico como uma linha, asteriscos ou um símbolo personalizado. Tudo bem que você acaba se acostumando com isso. Também não sei dizer se foi proposital, mas em alguns momentos chega a irritar um pouco. Concluindo, digo que é um livro excelente, vale muito a pena ser lido e mais ainda, vale a pena acompanhar a saga, que promete trazer outros dois livros tão bons quanto esses: A Aprendiz, será lançado (ou já foi) esse mês pela editora Novo Conceito e O Lorde supremo, que se não me engano, ainda não tem data de lançamento prevista. Pra quem gosta de fantasia, histórias sobre magia e mistério eu recomendo O Clã dos magos, e dou 4.3 robôs gigantes… opa… não estou no MRG =(

Comenta aí:

    Comentários:

  • Marãns à toa em 26/11/2012 - 13:30

    Livro bom nélha =D
    Vc tem ele @_@?

  • Nelinha à toa em 09/12/2012 - 13:30

    Tenho sim! é so vc pegar no meu armário xD