jogando conversa fora sobre CinemaQuadrinhos

Documentário: The Mindscape of Alan Moore

19 de Abril, 2013

E assim, eras mais tarde eu retorno ao meu mundinho tão adorado que com frequência é abandonado involuntariamente. Mas o que importa é que hoje vou postar um texto que adiei por um tempo por achar que não tinha muito haver com a linguagem do blog , que é pra ser algo mais descontraído e sem formalidades. Como se trata de um tema que enche meu coração de alegria, resolvi postar mesmo assim, mas já avisando que é uma linguagem um bocado formal, já que se trata de uma resenha acadêmica. O texto é sobre o documentário The Mindscape of Alan Moore  (A Paisagem Mental de Alan Moore) e em uma sinopse superficial, poderia dizer que é um documentário que mostra as várias faces de Alan Moore, indo da infância conturbada às previsões apocalípticas não tão difíceis de se fazer que o autor de Watchmen, V de Vingança e From Hell tem a respeito da humanidade. Preço desculpas adiantadas pelos erros e frases mal construídas, é um texto bem antigo, mas achei que não caberia corrigi-lo. Com vocês, os mistérios da mente insana e genial de Alan Moore: The Mindscape of Alan Moore apresenta detalhes da vida e da obra do renomado quadrinista inglês. Dirigido por Dez Vylenz e Moritz Winkler, o documentário foi gravado no ano de 2003 na Inglaterra. O documentário mostra Alan Moore em diversas abordagens, dês de sua infância no subúrbio de Northampton até seus conceitos sobre o destino da humanidade. Todo o documentário foi feito de maneira muito pessoal, de modo que o espectador passa a conhecer não só o fantástico trabalho com HQs, mas também suas inspirações e perspectivas a respeito da cultura, política e do universo. A história do autor é cheia de altos e baixos como é mostrado no filme. A infância humilde, a dificuldade de encontrar emprego e a certeza de querer algo além do senso comum marcaram a carreira de Alan Moore. Ele fala sobre suas inspirações para alguns de seus clássicos e mostra sua opinião a respeito de diversos assuntos, passando por suas crenças e conflitos e se encerra com uma apocalíptica opinião que diz muito a respeito do rumo que está sendo tomado pela humanidade O documentário tem início contando sua trajetória a partir da infância difícil em um bairro operário em Northampton, sua cidade natal e onde vive até hoje. No ensino médio foi expulso de uma escola conservadora, sendo acusado de comportamento ruim, o que acabou causando dificuldades para encontrar outra escola e posteriormente um emprego. Podemos perceber que sua infância, o local onde cresceu, o ambiente em que estava inserido influencia grandemente sua forma de ver o mundo. Segundo descreve, a paisagem era cinza, as pessoas igualmente desinteressantes. Sua válvula de escape neste universo sem perspectivas era a leitura. Seu contato com histórias em quadrinhos começou muito cedo. Era para ele como um lugar seguro onde se refugiava do cenário da vida real. O filme segue contando o início de sua careira contando seus primeiros passos como cartunista, escrevendo e desenhando para uma revista e um jornal local. A segunda função foi abandonada, segundo ele, porque não levava jeito para desenhar, ficando apenas com o papel de autor, que por sinal desempenhou muito bem. Teve grandes contribuições na revista 2000 A.D., onde pode explorar novas formas de abordagem, experimentando diversas linguagens, o que o levou a ganhar alguns prêmios. Em seguida tem inicio uma fase importante para sua carreira escrevendo para a revista Warrior, de onde saiu um de seus clássicos V de Vingança. Teve seu primeiro contato com a febre das HQs americanas de heróis, que o levou aos EUA, onde escreveu Watchmen. Alan Moore conta com riqueza de detalhes todas as motivações, inspirações e as emoções que o levaram a cada uma de suas criações, tão aclamadas em todo o mundo. Ele expõe suas opiniões a respeito do caos que enfrentamos nos tempos atuais, suas teorias sobre o universo, baseado em algumas formas de ocultismo. Ele se declara como mago, nos levando até a origem da palavra, que define um manipulador de imagens, um artista. O autor traz arraigada em suas obras os próprios conceitos e crenças, o que torna seu trabalho excepcional e espetacular. A autoralidade presente em cada palavra escrita marca gerações e transforma a visão de mundo daqueles que buscam mudanças. Cada obra possui uma mensagem excepcional que nos leva a realidades e perspectivas diferentes. Como ele próprio diz, seu trabalho é feito de um modo que impossibilita sua adaptação ao cinema. Apesar de sua oposição, várias de suas obras foram adaptadas para o cinema. Para ele, a linguagem das HQs é única e impossível de ser traduzida em qualquer outra forma de expressão artística, é uma forma única de comunicação. No documentário podemos ver que seu trabalho tem uma ligação forte com suas bases ocultistas. Moore possui um vasto conhecimento sobre o assunto. Durante o documentário podemos vê-lo manipulando um baralho de tarô, além de o próprio autor citar trechos de estudos cabalistas.         Allan Moore nunca procurou pela fama, mas quase que inevitavelmente ele acabou por se tornar famosos por suas HQs que fizeram um sucesso que ele não imaginava. No documentário, ele mostra sua opinião sobre a fama e suas consequências. Ele preferiu se refugiar em sua cidade natal, longe dos holofotes. Segundo ele, o mundo da celebridade está em constante rotação. Logo depois de seu período de fama elas são descartadas facilmente. Este certamente é um universo que não tem haver com a personalidade do autor. Moore foi o criador de diversos trabalhos que se tornaram marco na história das HQs. Ele conta que para seguir a carreira que desejava precisou fazer escolhas difíceis, já que seria um caminho muito obscuro de se trilhar. Porém para alcançar qualquer objetivo que seja é preciso arriscar, ou como ele próprio diz “saltar”. Vemos no filme profundas reflexões a respeito de suas concepções a respeito do universo, energias e forças que regem a existência humana sobre a terra. Suas frases bem elaboradas e conceitos bem formulados estão presentes em todo o documentário, fazendo o espectador imergir nesse emaranhado de teorias em que está inserido seu intrigante universo. Para aqueles que não o conhece, a figura barbuda e excêntrica do autor pode causar grande impacto, mas não tanto quanto seu discurso tão profundo a respeito da vida e do universo. O documentário não é simplesmente um resumo da obra de Alan Moore, é uma biografia extremamente detalhada a respeito de uma das maiores mentes da história contemporânea. Além de mostrar tão minuciosamente os detalhes da criação de suas excelentes histórias, nos mostra uma face do autor que muitos , até mesmo os fãs, não conheciam. Um perfeito retrato de um autor excepcional. Você pode assistir ao documentário completo aqui   

Comenta aí:

    Comentários:

  • Bruno Gregório à toa em 19/04/2013 - 02:21

    Gosto muito dos seus posts. Parabéns!